Tech

OpenAI dá ao ChatGPT uma 'memória' melhor

OpenAI está dando ao ChatGPT uma memória melhor.

A start-up de inteligência artificial de São Francisco disse na terça-feira que estava lançando uma nova versão de seu chatbot que lembraria o que os usuários dizem para que pudesse usar essas informações em chats futuros.

Se um usuário mencionar uma filha, Lina, que está prestes a completar 5 anos, gosta da cor rosa e gosta de água-viva, por exemplo, o ChatGPT pode armazenar essas informações e recuperá-las conforme necessário. Quando o mesmo usuário pede ao bot para “criar um cartão de aniversário para minha filha”, ele pode gerar um cartão com uma água-viva rosa que diz “Feliz 5º aniversário, Lina!”

Com esta nova tecnologia, a OpenAI continua a transformar o ChatGPT num assistente digital automatizado que pode competir com serviços existentes como o Siri da Apple ou o Alexa da Amazon. No ano passado, a empresa permitiu que os usuários adicione instruções e preferências pessoais, como detalhes sobre seus empregos ou o tamanho de suas famílias, que o chatbot deve considerar durante cada conversa. Agora, o ChatGPT pode recorrer a uma gama de informações muito mais ampla e detalhada.

“Acreditamos que os assistentes mais úteis são aqueles que evoluem com você – e acompanham você”, disse Joanne Jang, líder de produto OpenAI que ajuda a supervisionar seu projeto de memória.

Embora o ChatGPT agora possa se lembrar de conversas anteriores, ele ainda pode cometer erros – assim como os humanos. Quando um usuário pede ao ChatGPT para fazer um cartão de aniversário para Lina, o chatbot pode criar um com um erro de digitação sutil, como “Feliz 5º aniversário! Lina!”

A empresa está fornecendo primeiro a nova tecnologia para um número limitado de usuários. Ele estará disponível para quem usa a versão gratuita do ChatGPT e também para quem assina o ChatGPT Plus, um serviço mais avançado que custa US$ 20 por mês.

A OpenAI também apresenta aos usuários na terça-feira o que chama de chats temporários, durante os quais conversas e memórias não são armazenadas.

O ChatGPT oferece há algum tempo uma forma limitada de memória. Quando os usuários conversavam com o bot, suas respostas baseavam-se no que eles disseram anteriormente na mesma conversão. Agora, o bot pode aproveitar informações de conversas anteriores.

(O New York Times processou a OpenAI e sua parceira, a Microsoft, em dezembro, por violação de direitos autorais de conteúdo de notícias relacionado a sistemas de IA.)

O bot constrói essa memória identificando e armazenando automaticamente informações que podem ser úteis no futuro. “Contamos com o modelo para decidir o que pode ou não ser pertinente”, disse o cientista pesquisador da OpenAI, Liam Fedus, referindo-se à tecnologia de IA que sustenta o ChatGPT.

Os usuários podem dizer ao bot para lembrar de algo específico de sua conversa, perguntar o que já está armazenado em sua memória, dizer ao chatbot para esquecer certas informações ou desligar totalmente a memória.

Por padrão, o OpenAI grava conversas inteiras do ChatGPT e as utiliza para treinar versões futuras do chatbot. A OpenAI disse que removeu informações de identificação pessoal de conversas usadas para treinar sua tecnologia. E os usuários podem optar por remover totalmente suas conversas dos dados de treinamento do OpenAI.

Mas criar e armazenar uma lista separada de memórias pessoais que podem ser trazidas pelo chatbot nas conversas pode levantar questões de privacidade. A empresa argumentou que o que estava fazendo não era muito diferente da forma como os mecanismos de busca e navegadores armazenavam o histórico de internet de seus usuários.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button