News

Rússia coloca autoridades do Báltico na lista de procurados enquanto Estônia alerta sobre planos de guerra

Enquanto a primeira-ministra da Estónia, Kaja Kallas, é alvo da polícia russa, o chefe da inteligência alerta que a guerra russa contra o Ocidente se aproxima na “próxima década”.

A Rússia colocou altos funcionários dos Estados Bálticos na sua lista de procurados, à medida que a tensão continua a ferver no meio da guerra na Ucrânia.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse na terça-feira que a primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, e duas outras altas autoridades do Báltico foram adicionadas à lista de procurados do país. A medida coincidiu com a divulgação de um relatório dos serviços secretos da Estónia alertando que a Rússia está a preparar-se para travar uma guerra contra o Ocidente na próxima década.

Kallas, o secretário de Estado da Estónia, Taimar Peterkop, e o ministro da Cultura da Lituânia, Simonas Kairys, foram listados na base de dados do Ministério do Interior devido à “destruição” de monumentos aos soldados soviéticos.

A Estónia, a Letónia e a Lituânia removeram numerosos memoriais da era soviética desde que conquistaram a independência, quando a União Soviética se desfez em 1991. Esse processo, que já tinha azedado as relações com Moscovo, ganhou impulso desde que a Rússia invadiu a Ucrânia.

Na sequência, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, acusou Kallas de conduzir ações hostis contra a Rússia. Tal como os seus homólogos na Letónia e na Lituânia, a líder estónia está entre os mais declarados apoiantes da Ucrânia na Europa.

“O regime está a fazer o que sempre fez: está a tentar sufocar a liberdade… e a continuar a criar a sua própria versão que está em desacordo com os factos ou com a lógica”, disse Kairys num comunicado transmitido pela AFP.

A primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, à direita, aperta a mão do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy durante sua reunião, em Tallinn, Estônia, na quinta-feira, 11 de janeiro de 2024 [AP Photo]

'Antecipando o conflito'

No mesmo dia, o chefe dos serviços secretos da Estónia afirmou que a Rússia está “antecipando um possível conflito com a NATO dentro da próxima década”.

Ao divulgar o relatório anual do país sobre ameaças à segurança nacional, Kaupo Rosin disse que a avaliação se baseava nos planos da Rússia de duplicar o número de tropas estacionadas ao longo da sua fronteira com os Estados Bálticos e a Finlândia, todos membros da NATO.

No entanto, o relatório observou que, com as forças russas atoladas na Ucrânia, um ataque militar direto ao Ocidente a curto prazo é “altamente improvável”.

Ao mesmo tempo, o chefe dos serviços de informações tomou nota dos comentários do candidato presidencial dos Estados Unidos, Donald Trump, de que não defenderia aliados que não gastam o suficiente na defesa, dizendo que “tais declarações nunca são úteis”.

A Estónia e os outros Estados Bálticos aumentaram as suas despesas militares para mais de 2% do produto interno bruto desde que a Rússia anexou a Crimeia em 2014, e os aliados da NATO aumentaram a sua presença nesses países.

A Alemanha planeia ter 4.800 soldados prontos para o combate na região até 2027, no seu primeiro destacamento estrangeiro permanente desde a Segunda Guerra Mundial.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button