News

Política e conveniência levam o México a ser o principal parceiro comercial dos EUA

Antes de Elon Musk anunciar que iria investir milhares de milhões na construção da sua maior fábrica da Tesla no posto industrial de Monterrey, no México, os ventos alísios dos Estados Unidos já estavam a deslocar-se para sul.

No final de 2022, a ministra da Economia do México, Raquel Buenrostro Sánchez, disse que 400 empresas manifestaram interesse em mudar-se da Ásia para o México. Novos parques industriais estavam surgindo, muitos deles movidos por dinheiro asiático, e os investimentos estavam chovendo. Até Junho de 2023, tinham sido garantidos cerca de 13 mil milhões de dólares em investimentos, de acordo com o secretário das Finanças e do crédito público do México, a maior parte para fabricantes de automóveis ou de autopeças.

Novos números do Censo dos EUA da semana passada indicam que o México é o principal parceiro comercial dos EUA. Em 2023, os EUA negociaram 798 mil milhões de dólares com o México, à medida que os bens que compraram ao seu vizinho do sul ultrapassaram a China e o Canadá. O boom em torno do nearshoring – um termo cativante que descreve o movimento das empresas para mais perto do seu mercado preferido, neste caso, os EUA – ajudou a conduzir o México para esta posição.

“Isto não é cíclico, é novo”, disse Andrew Hupert, um especialista em comércio que viveu na China e agora vive no México.

“O que estou vendo é uma diversificação da produção. As ligações começaram a vir de empresas dizendo: 'Não quero todos os ovos na mesma cesta'”, disse Joshua Rubin, vice-presidente de desenvolvimento de negócios do Javid Group, uma empresa com sede em Nogales, Arizona, que ajuda empresas a iniciar operações. no México.

De acordo com o Federal Reserve Bank de Dallas, o México ultrapassou o Canadá pela primeira vez no início de 2023, com o comércio bilateral entre os vizinhos totalizando 263 mil milhões de dólares nos primeiros quatro meses, à medida que os números da China continuavam a descer. No final do ano, os EUA tinham comprado 475 mil milhões de dólares em produtos mexicanos, em comparação com 421 mil milhões de dólares do Canadá e 427 mil milhões de dólares da China, que viu o seu número cair 20 por cento a partir de 2022.

O boom do nearshoring não é exclusivo do México. Um relatório de 2022 do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) sugeriu que toda a América Latina e as Caraíbas estavam preparadas para colher os benefícios, com até 78 mil milhões de dólares em exportações num futuro próximo. Países como a Argentina, o Brasil e a Colômbia deverão obter ganhos consideráveis. Mas todos foram ofuscados pelo México, que foi responsável por quase metade do crescimento do nearshoring previsto pelo BID. Chamou a atenção do lobby canadiano das peças automóveis, que começou a manifestar preocupação com o facto de os investimentos chineses no México acabarem por minar os empregos canadianos.

A forma como o México chegou a esta posição é tanto resultado das suas próprias iniciativas e crescimento como de forças geopolíticas fora do seu controlo. E os especialistas sugerem que está apenas começando.

“Agora é um mundo de oportunidades”, disse Marco Villarreal, que ajudou a Hisun Motors, um fabricante chinês de ATVs e UTVs, a abrir instalações de produção em Saltillo, uma cidade nos arredores de Monterrey.

Villarreal, que teve longas carreiras na General Motors e Caterpillar, relembrou uma visita aos parques industriais na região de Monterrey-Saltillo no final de 2020, e o chefe das operações da Hisun nos EUA expressou surpresa com a extensão da força industrial à sua frente.

“Marco, o que está acontecendo no México é o que aconteceu na China há 30 ou 40 anos, quando iniciamos uma expansão industrial”, Villarreal lembrou que o proprietário lhe contou.

“Há um interesse crescente da Ásia em estabelecer uma presença no México”, concordou Alfredo Nolasco, especialista em desenvolvimento de negócios que fundou a consultoria mexicana Spyral.

O que explica o boom?

O México há muito que conquistou um espaço como centro de produção para os EUA, através de programas de tarifas e de isenção de impostos que permitiram às empresas criar as chamadas “maquiladoras” – como as fábricas foram apelidadas na década de 1990 – para montar produtos exclusivamente para exportar. O Acordo de Livre Comércio da América do Norte, e seu primo reformulado, conhecido como Acordo Estados Unidos México Canadá, foi outro benefício para o parceiro do sul.

O México tem programas para construir produtos como carros exclusivos para exportação [File: Jorge Duenes/Reuters]

Mas uma confluência de novos factores convergiu para criar o aumento que assistimos hoje. O que é mais frequentemente destacado por especialistas de ambos os lados da fronteira entre o México e os EUA é a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos. Tudo começou sob a administração do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, e realmente decolou sob o presidente Joe Biden, disse Hupert.

Há anos que Hupert alerta para a diminuição dos ganhos na China, argumentando que os custos de conformidade superariam as poupanças.

“Cumprir as regulamentações chinesas e as regulamentações dos EUA ao mesmo tempo é mais ou menos impossível”, disse Hupert. “Os Estados Unidos, em muitos setores, estão pedindo informações que os chineses poderiam a qualquer momento considerar segredos de Estado.”

Depois houve a pandemia da COVID-19, que expôs um risco logístico que nunca tinha sido realmente considerado por uma economia globalizada. As empresas foram forçadas a engolir pílulas duras na cadeia de abastecimento, à medida que o custo de transporte de contentores de mercadorias da China para a América do Norte disparou. Matou empresas que não conseguiam levar os seus produtos aos seus mercados ou colocou o México numa posição indispensável, como foi o caso dos fornecimentos médicos que entravam nos EUA durante os confinamentos.

Dito isto, não é que as empresas estejam a abandonar completamente a China ou os países vizinhos, disse Hupert, mas sim a criar sucursais ou a expandir a sua presença no México.

“A pandemia nos deixou uma lição muito importante que nos levou da globalização da produção à regionalização da produção”, disse Claudia Esteves, diretora geral da Associação Mexicana de Parques Industriais Privados. “Está praticamente matando a globalização.”

A guerra na Ucrânia foi um factor adicional que levou os interesses europeus a reconsiderar os seus postos de produção em lugares como a Polónia, acrescentou.

“Nossa boa sorte se deve à nossa posição geográfica”, disse ela. “É porque compartilhamos uma distância de 3.200 quilômetros [3,218km] faz fronteira com o maior mercado do mundo.”

Como resultado, a procura por parques industriais também explodiu. Cerca de 50 novos parques industriais estavam em construção no México em 2023 – quase metade por investidores chineses e outros 20% coreanos, disse Esteves. Em 2019, havia 2 milhões de metros quadrados (21,5 milhões de pés quadrados) de espaço ocupado no parque industrial. Em meados de 2023, esse número saltou para 4,3 milhões de metros quadrados (46 milhões de pés quadrados). “Isso é histórico”, disse ela.

Crescimento que vem aumentando há décadas

Embora este boom do nearshoring se deva em grande parte à indústria transformadora, o crescimento do comércio é mais amplo do que isso.

Um trabalhador agrícola colhe abacates no pomar de San Isidro, em Uruapan, no estado de Michoacán, México
O setor agrícola do México viu um boom “astronómico” nos últimos anos [File: Carlos Jasso/Reuters]

Jamie Chamberlain, presidente da Autoridade Portuária do Condado de Greater Nogales Santa Cruz, vê isso como parte de uma trajetória que remonta a décadas. Ele se lembra de ter frequentado fazendas rurais no México quando criança com seus pais, que começaram a importar frutas e vegetais em 1971.

No sector agrícola, o crescimento tem sido “astronómico” – quando começou no negócio, em 1987, a importação de produtos era um negócio que se estendia de Novembro a Maio. “Agora, somos praticamente uma indústria que funciona o ano todo e importa de todos os estados do México”, disse ele. “O setor de frutas vermelhas é o setor de maior crescimento e todo para exportação para os Estados Unidos.”

Não foi apenas a procura que tem lubrificado esta roda económica. Há uma visão de futuro envolvida. Em Nogales, por exemplo, a Autoridade Portuária começou a planear a expansão do seu porto de entrada para gerir o fluxo crescente de camiões, quando havia 900 a 1.000 a atravessar para os EUA todos os dias. Agora é cerca do dobro disso, em cada direção.

“A preparação em infraestrutura é muito importante”, disse ele.

Cartéis e moeda

Hupert identifica duas nuvens potenciais nesta trajetória ascendente – a instabilidade causada pelos cartéis da droga e a moeda. “O peso é muito forte”, disse ele. “Isso e a inflação eliminam a vantagem de custos do México.”

Não se trata apenas de uma vantagem em termos de custos, mas também de uma vantagem em termos de oferta de mão-de-obra, disse Villarreal. Os EUA não têm a mão-de-obra qualificada que muitas empresas norte-americanas exigem e que o México passou décadas a desenvolver. Já conta com mais de 50 anos de fabricação de automóveis, o que significa que possui uma força de trabalho que pode assumir a montagem técnica e está mais do que qualificada para funções menos exigentes, como móveis, observou.

E onde existem lacunas, as forças do mercado já estão a trabalhar para colmatá-las. Nolasco, especialista em desenvolvimento de negócios, lembrou-se de um cliente que o procurou em busca de fornecedores de porcas, parafusos e arruelas.

“Embora o México seja uma potência, percebemos que, para esse tipo de questões simples, não havia o suficiente”, disse ele. À medida que a procura cresce, esse problema de oferta de trabalho pode ser resolvido.

“Essa é uma grande oportunidade para desenvolver joint ventures com o México e outros parceiros ao redor do mundo.”

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button