News

Piscar de volta ao Oriente Médio para impulsionar as negociações de trégua em Gaza enquanto as tropas israelenses avançam

Esperava-se também que Blinken se encontrasse com Gantz durante sua visita, disse um alto funcionário dos EUA (Arquivo)

Cairo, Egito:

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, voltou ao Oriente Médio na segunda-feira para promover uma trégua em Gaza e um plano de libertação de reféns, enquanto o bombardeio israelense abalava novamente o território palestino sitiado.

Depois de uma parada no Egito para se encontrar com o presidente Abdel Fattah al-Sisi, Blinken deveria ir a Israel para conversações com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sobre como acabar com o conflito que assola desde o ataque do Hamas em 7 de outubro.

Netanyahu foi politicamente impulsionado em Israel por uma missão bem-sucedida, embora sangrenta, de resgate de reféns no sábado – mas prejudicado pela saída de um membro de seu gabinete de guerra, Benny Gantz, no domingo.

Gantz, um antigo chefe do exército, criticou Netanyahu especialmente por não ter delineado um plano de governação pós-guerra para Gaza, argumentando que são necessárias decisões difíceis para alcançar uma “vitória real”.

O centrista também desafiou Netanyahu a marcar uma data para as eleições, uma exigência partilhada por um movimento de protesto que tem saído regular e ruidosamente às ruas de Israel contra o governo de direita.

Esperava-se também que Blinken se encontrasse com Gantz durante sua visita, disse uma autoridade sênior dos EUA.

Enquanto isso, a guerra continuava inabalável, com testemunhas relatando tiros de helicóptero e bombardeios navais atingindo a Cidade de Gaza, e ataques aéreos chovendo sobre Deir al-Balah.

Os combates de rua ocorreram nas áreas ao sul de Rafah e Khan Yunis, onde corpos foram vistos caídos nas ruas e civis palestinos fugiam, disse um correspondente da AFP.

Os últimos confrontos seguem-se a grandes combates e ataques aéreos pesados ​​durante a missão de resgate de reféns de sábado no campo de Nuseirat.

'Banho de sangue deve acabar'

Enquanto os israelitas celebravam o seu regresso com boa saúde, os palestinianos condenavam um enorme número de mortes, com as autoridades de saúde de Gaza a dizerem que 274 pessoas foram mortas e quase 700 feridas, muitas delas mulheres e crianças.

No rescaldo da intensa batalha, os palestinos procuravam sobreviventes e corpos nos escombros dos edifícios desabados, enquanto carros carbonizados e destroços cobriam um bairro devastado coberto de poeira de concreto.

“As pessoas gritavam – jovens e velhos, mulheres e homens”, contou Muhannad Thabet, 35 anos, um residente local que sobreviveu aos combates.

“Todos queriam fugir do local, mas o bombardeio foi intenso e quem se mexesse corria o risco de morrer devido ao forte bombardeio e aos tiros”.

O chefe da política externa da UE, Josep Borrell, saudou o resgate dos reféns, mas também exigiu que “o banho de sangue termine imediatamente”.

O ministro das Relações Exteriores, Israel Katz, prometeu que Israel continuará lutando “de acordo com nosso direito à autodefesa, até que todos os reféns sejam libertados e o Hamas seja derrotado”.

A guerra mais sangrenta de sempre em Gaza eclodiu depois do ataque do Hamas, em 7 de Outubro, ao sul de Israel, que resultou na morte de 1.194 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números oficiais israelitas.

O Hamas também capturou 251 reféns, mais de 100 dos quais foram libertados durante a trégua de Novembro. Após a missão de resgate de sábado, 116 reféns permanecem em Gaza, embora o exército afirme que 41 deles estão mortos.

A ofensiva militar retaliatória de Israel matou pelo menos 37.124 pessoas em Gaza, também a maioria civis, segundo o ministério da saúde do território.

A contagem inclui pelo menos 40 mortes nas últimas 24 horas, disse o ministério na segunda-feira.

A guerra provocou uma devastação generalizada em Gaza e deslocou a maior parte dos seus 2,4 milhões de habitantes, muitos dos quais as agências da ONU alertam que estão à beira da fome.

Conselho de Segurança das Nações Unidas

A longa guerra e o cerco, o número crescente de mortes palestinianas e a devastação total de vastas áreas de Gaza aumentaram a pressão global sobre Israel para pôr fim ao conflito.

O presidente dos EUA, Joe Biden, fez um esforço renovado para interromper os combates quando apresentou o que chamou de proposta de trégua israelense em 31 de maio e instou o Hamas a concordar com ela.

As conversações foram retomadas pouco depois entre os mediadores dos EUA, do Egipto e do Qatar, mas sem se conseguir qualquer avanço até agora.

O Hamas ainda não respondeu formalmente e os seus responsáveis ​​insistiram que qualquer acordo deve garantir o fim permanente da guerra – uma exigência que Israel rejeitou firmemente, uma vez que prometeu destruir o Hamas e libertar os restantes cativos.

Washington apresentou a última proposta num projecto de resolução perante o Conselho de Segurança da ONU, onde já bloqueou uma série de resoluções de cessar-fogo.

A primeira fase veria um “cessar-fogo imediato, pleno e completo”, a libertação de reféns em troca de prisioneiros palestinos nas prisões israelenses e a “retirada das forças israelenses das áreas povoadas de Gaza”.

Isto também permitiria a “distribuição segura e eficaz da assistência humanitária em grande escala em toda a Faixa de Gaza a todos os civis palestinianos que dela necessitam”, de acordo com o projecto de texto visto pela AFP.

Fontes diplomáticas disseram que uma votação estava planejada para segunda-feira, mas ainda não foi confirmada.

Esperava-se que Blinken promovesse o plano em sua oitava viagem regional de crise desde o início da guerra, com paradas também planejadas na Jordânia e no Catar.

“A única coisa que impede este cessar-fogo é o Hamas”, disse Blinken no sábado. “É hora de eles aceitarem o acordo.”

No Egito, também se esperava que Blinken falasse com Sisi sobre soluções para abrir a principal passagem para Gaza em Rafah.

O encerramento de um mês agravou o desastre humanitário em Gaza, fazendo disparar os preços de bens escassos e agravando os receios de fome no território sitiado.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button