News

‘Haverá massacres’: palestinos em Rafah falam de seus medos

Rafah, Faixa de Gaza – Cerca de 1,5 milhões de palestinos, a maioria deles deslocados, estão espremidos na pequena cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

Foram expulsos das suas casas noutras partes de Gaza durante o ataque de Israel ao enclave sitiado, que já matou mais de 28 mil pessoas.

Israel designou Rafah como uma “zona segura”, mas agora ameaça uma invasão terrestre, deixando mais de um milhão de pessoas presas ali, aterrorizadas, sem ter para onde ir.

Rafah é a mais recente de uma série de áreas que Israel disse que seriam “zonas seguras” para os civis se abrigarem do que já duram quatro meses de ataques, mas Israel atacou uma após a outra, forçando as pessoas a sair repetidas vezes.

Houve condenações internacionais ao plano de Israel de invadir Rafah, mas o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, diz que está determinado a continuar, alegando que isso “acabaria com o Hamas”, que é a intenção declarada por detrás do ataque a Gaza.

Um el-Abed Fayyad e sua família foram deslocados quatro vezes até agora [Sanad Agency/Al Jazeera]

Os principais líderes do Hamas disseram que tal medida por parte de Israel acabaria com qualquer possibilidade de negociações entre os dois lados.

Neste contexto, o medo e o pânico que tomaram conta das pessoas em Rafah continuam a aumentar. A Al Jazeera conversou com vários palestinos que acabaram em Rafah por causa da guerra, alguns dos quais já haviam sido deslocados várias vezes.

'Não há mais para onde ir'

Umm al-Abed Fayyad disse que ela e sua família foram deslocadas quatro vezes até agora.

“Estamos em uma área diferente a cada mês. O último lugar onde estivemos foi Khan Younis e agora estamos em Rafah”, explicou ela.

Quando questionada sobre como se sente sobre a possibilidade de uma invasão israelense, Umm al-Abed Fayyad disse que “não tem mais para onde ir”.

“Os israelenses estão por toda parte. Para onde vamos? ela perguntou, observando que as pessoas ao seu redor estão “famintas e sem teto”.

Assad Hassan
Assaad Hassan não está bem e seu único desejo na vida é voltar para casa [Sanad Agency/Al Jazeera]

Tal como outras pessoas na área, ela diz: “Não importa o quanto ameacem, não nos moveremos novamente e, se Deus quiser, seremos vitoriosos. Perseveraremos e permaneceremos pacientes.”

Asaad Hassan, outro palestino deslocado da cidade de Gaza para Rafah, não está bem. O seu único desejo, diz, é “voltar para minha casa e que a agressão pare”.

“Não temos outro lugar para ir senão para o túmulo, se eles cumprirem as suas ameaças de invadir Rafah”, disse Hassan à Al Jazeera.

A guerra de Israel na sitiada Faixa de Gaza começou em 7 de outubro. Nesse dia, as Brigadas Qassam, o braço armado do Hamas, que governa Gaza, lançaram ataques ao sul de Israel, matando 1.139 pessoas e levando cerca de 240 de volta a Gaza.

Israel respondeu imediatamente com uma campanha de bombardeamento seguida por uma invasão terrestre do norte de Gaza.

Umm Badr
Umm Badr Abu Salme tem certeza de que massacres estão prestes a acontecer em Rafah [Sanad Agency/Al Jazeera]

Pelo menos 28.340 palestinos foram mortos em Gaza, a maioria deles mulheres e crianças, enquanto 67.984 ficaram feridos nos últimos quatro meses.

A maioria dos 2,3 milhões de residentes de Gaza foram forçados a abandonar as suas casas e mais de 60% de todas as infra-estruturas da faixa foram demolidas.

‘Haverá massacres’

Umm Badr Abu Salme disse que se mudou com a família para Rafah com base nas ordens do exército israelense de que seria mais seguro.

“Viemos para Rafah e agora estão a dizer-nos para partirmos”, disse ela à Al Jazeera. “Haverá massacres. Não há outro lugar para ir. Rafah é nosso último refúgio. Esta guerra deve parar.”

“Qualquer pessoa que se mova é morta”, disse Abu Salme. “Não temos nenhum lugar seguro para ir.”

Mohammed Madi, que é médico, foi deslocado várias vezes desde que foi forçado a deixar a sua casa na Cidade de Gaza.

Dr. Mohamed Madi
'Vou morrer aqui antes de partir', disse Mohammed Madi à Al Jazeera [Sanad Agency/Al Jazeera]

“Se a ocupação prosseguir com as suas ameaças de invadir Rafah, será um desastre”, disse Madi à Al Jazeera.

“Mesmo assim, não vou deixar Rafah porque para onde iremos? O resto de Gaza está destruído. Vou morrer aqui antes de partir”, disse ele.

“Apelamos aos países árabes… para que tomem uma decisão e acabem com esta guerra genocida contra Gaza”, disse Madi.

Em 29 de Dezembro, a África do Sul apresentou um processo contra Israel no Tribunal Internacional de Justiça, argumentando que está a levar a cabo um genocídio contra o povo palestiniano, um termo que muitos têm usado para descrever a guerra de Israel em Gaza.

O jornalista Alaa Salameh, residente de Rafah que cobriu a guerra em toda a Faixa, disse que permanecerá para fazer reportagens da cidade, apesar das ameaças israelenses.

“O exército israelita realizou inúmeros massacres em toda a Faixa de Gaza. Se invadir Rafah, fará o mesmo”, disse Salameh à Al Jazeera.

Jornalista Alaa Salameh
O jornalista Alaa Salameh é de Rafah, mas viajou para cima e para baixo na Faixa de Gaza para cobrir a guerra [Sanad Agency/Al Jazeera]

“A ocupação não segue o direito internacional. Se invadirem Rafah, não haverá lugar seguro”, continuou. “É preciso haver pressão global para evitar que este crime potencial aconteça.”

Ele observou que Israel já matou milhares de palestinos em ataques aéreos contra Rafah nos últimos meses.

Haifaa Mohammad Abdelhamid Saleh foi forçada a deixar a sua casa na Cidade de Gaza e veio para Rafah. “Partimos no dia 14 de outubro. Não queríamos sair da cidade de Gaza nem das nossas casas, mas a ocupação israelita disse-nos que estaríamos seguros se o fizéssemos.”

“Esperamos que eles não invadam Rafah. Se o fizerem, haverá um desastre humanitário – não apenas entre os refugiados, mas também para os residentes da cidade”, disse Saleh.

“Eles incendiaram tudo em Gaza. Eles querem vingar-se da resistência em Gaza.”

Haifaa Mohammad Abdelhamid Saleh
Haifaa Mohammad teme um massacre entre os refugiados e o povo de Rafah [Sanad Agency/Al Jazeera]

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button